GALERIA

O caminho para a transição energética na América Latina


Embora a América Latina e o Caribe tenham uma grande variedade de recursos de energia renovável, em muitos casos eles ainda estão amplamente inexplorados. É uma região cujas emissões representam menos de 10% do total mundial. Além da vulnerabilidade que já existia no continente devido às consequências das mudanças climáticas, a pandemia COVID-19 causou grande impacto na América Latina. No entanto, a recuperação econômica que antecede a pandemia apresenta-se como a oportunidade perfeita para reconstruir uma economia em torno de soluções e alternativas mais sustentáveis ??que permitam à região um desenvolvimento duradouro com baixo impacto climático. O alinhamento dos planos de resposta e recuperação da COVID-19 com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável pode ajudar a acelerar uma transição energética sustentável.

A América Latina está entre os mercados de energia renovável mais dinâmicos do mundo, com 25% de fontes renováveis ??como energia primária, a maior porcentagem de energia em comparação com o resto do mundo. Entre 2010 e 2015, foram feitos investimentos de US $ 120 bilhões em energias renováveis, posicionando vários países da América Latina entre os dez maiores mercados de energia renovável do mundo. Hoje, a região tem cerca de 200GW de capacidade instalada em renováveis, o que representa mais da metade da capacidade energética e um quarto do total da energia primária.

Por ser uma região em constante desenvolvimento e crescimento, tem havido um aumento significativo da demanda de energia elétrica que não tem sido atendida pela incorporação de energias renováveis. E para atender a essa demanda crescente, os países latino-americanos tiveram que incorporar tecnologias que utilizam combustíveis fósseis, de forma que todo o potencial da região permanece inexplorado. De acordo com um estudo realizado pela IRENA, estima-se que mais de 90% do potencial da região permanece inexplorado, mesmo apesar da iniciativa coordenada pela OLADE de estabelecer uma meta regional de atingir pelo menos 70% da energia renovável até 2030 .

Muitos países da região já deram passos positivos em direção à recuperação econômica com base em uma transformação energética acelerada e na priorização de tecnologias de baixo carbono. Alguns governos impuseram vários incentivos para empresas, investidores e consumidores que participam ativamente de projetos de implementação de energia renovável. Colômbia, Argentina e México criaram leis que apoiam esses incentivos, priorizando a dedução ou exclusão de impostos.

Atualmente, o principal desafio dos países latino-americanos é realizar uma transição energética harmonizada, sem comprometer a confiabilidade do abastecimento; ou seja, garantir que, durante as saídas das termelétricas e a introdução de novas energias renováveis, o sistema elétrico continue a operar sem interrupções.

Outros desafios na região são introduzir novas tecnologias como sistemas de armazenamento de energia por meio de baterias, autogeração de varejo (prosumer) e redes inteligentes. A criação de estratégias e iniciativas nacionais que promovam e impulsionem a mobilidade elétrica também é uma forma de alcançar uma transição energética harmoniosa.

Outros desafios que a região enfrenta são:

-Empregar estratégias de armazenamento de energia para ajudar a compensar os picos de demanda.

-Reduzir as restrições operacionais que afetem a geração não convencional, quando houver sobras de produção não utilizadas pelos sistemas elétricos nacionais.

-Maior controle da volatilidade das energias renováveis não convencionais.

-Desenvolvimento de estratégias para aproveitar o incipiente mercado de Hidrogênio Verde, criando sinergias entre a geração de energias renováveis não convencionais e a disponibilidade de combustíveis mais ecologicamente corretos.

 

Comentarios

  • Sé el primero en comentar...


Deja tu comentario